sábado, 16 de março de 2013

Esloveno Slavoj Zizek faz palestra fragmentada no Recife

Slavoj Zizek esteve fora de sintonia com tradutora do evento. Credito: Paulo Paiva/DP/D.A Press.
Slavoj Zizek esteve fora de sintonia com tradutora do evento. Credito: Paulo Paiva/DP/D.A Press.

Atraso e problemas na tradução prejudicaram (e muito) a palestra do filósofo Slavoj Zizek, nesta sexta-feira (15). Diante de um Teatro da UFPE lotado, o autor de mais de 60 livros e falante compulsivo apenas pincelou alguns dos temas que lhe são caros: capitalismo, ideologia, desenvolvimento social, sempre de maneira polêmica. “Em vários países do mundo, para  o capitalismo crescer rapidamente, não é mais necessária a democracia. Observe a China, a Cingapura…”.

Na tentativa de explicar o que seria uma versão moderna da ideologia, afirmou que “as pessoas não querem viver participando de debates, falar sobre problemas sociais. Querem que exista um organismo invisível para fazer isso e que permita cada um cuidar da própria vida”. 

Ao citar Marx e Hegel, procurou ser bastante didático. Contou histórias supostamente engraçadas para retomar conceitos como “fetichismo de mercadoria” e “negação determinativa”. Entre as referências pop, uma de suas marcas, citou filmes como Lincoln (“uma horrível versão hollywoodiana da abolição da escravatura”) e Abraham Lincoln: caçador de vampiros, e a série televisiva Friends.

Leitor de muitas obras do esloveno, o geógrafo Michel Barbosa acredita que Zizek contou histórias demais e não se aprofundou em temas importantes. "Poderia ter comentado apartheids urbanos, movimentos como a Primavera Árabe, mas se prendeu a muitas histórias e metáforas. Foi um evento muito midiático, distante do que está contemplado em seus livros", opinou. 

Já o reitor da Universidade Federal de Pernambuco, Anísio Brasileiro, comentou que o problema com a tradução de fato prejudicou o evento, causando quebras de raciocício, mas que Zizek cumpriu bem o papel de convidar as pessoas para refletir e buscar soluções para a sociedade.

"É um filósofo de olhar curioso e instigante, que fala por meio de simbolismos sobre o que acontece no meio social. É uma maneira de retratar o cotidiano e questionar o porquê de as pessoas não reagirem, não terem projetos, de criticar o próprio capitalismo", disse o reitor. 

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2013/03/15/internas_viver,428865/esloveno-slavoj-zizek-faz-palestra-fragmentada-no-recife.shtml

2 comentários:

Gabriel Landi Fazzio disse...

APENAS UMA ESQUERDA RADICALIZADA PODE SALVAR A EUROPA

A austeridade não é “tão radical” assim, como alguns críticos esquerdistas reclamam, mas, ao contrário, demasiadamente superficial, um ato para evitar as verdadeiras raízes da crise, diz Slavoj Zizek.
https://bloglavrapalavra.wordpress.com/2015/08/26/apenas-uma-esquerda-radicalizada-pode-salvar-a-europa/

Jardel Pias Borges - Advogado disse...

Este Zizek é o grande pensador da atualidade...